The Artlessness of the Abominable Ad Hominem: “Squid is Mainardi’s Folkloric Tapirus Terrestris”

Miniature jungle pachyderm makes fine eating, one hears
Mainardi and the jungle-dwelling distant cousin of the mighty elephant.

An ad hominem argument, also known as argumentum ad hominem (Latin: “argument to the person”, “argument against the man”) consists of replying to an argument or factual claim by attacking or appealing to a characteristic or belief of the person making the argument or claim, rather than by addressing the substance of the argument or producing evidence against the claim. The process of proving or disproving the claims is thereby subverted, and the argumentum ad hominem works to change the subject.

It is closely related to our patented concept of the “banana-republican guilty plea,” defined in general terms as “filibustering while changing the subject.” (Really, the BRGP is just a time-proven traditional rhetorical concept dressed up with new branding and presented as an “innovation” in discourse analysis.)

Item:

Veja magazine columnist Diogo Mainardi’s “instant bestseller” — heavily promoted at all your better bookstores in São Paulo this week with acres and acres of promotional shelf space — Lula é minha anta (“Lula is my tapir, figuratively speaking”) is reviewed. The volume collects Mainardi columns from the last year or two.

A Brazilian best-seller might sell upwards of 10,000 copies, is the sense I have. FNAC indicated it was the No. 2 best seller at its stores last time we visited. Who maintains best-seller lists here, how do they compile them, and how reliable are they? You got me.

I will also translate some excerpts from Reinaldo Azevedo’s review of the book (Azevedo is a colleague of Mainardi’s at Veja, but jokes to the effect that “I am not being paid to praise this book”.) In the interests of equal time. When I get a chance.

On Azeredo and Mainardi and their tendency to confabulate sleazy untruths for a living, see also

I mostly reproduce it as a reminder to myself to try to find a manifesto I wrote for a still-notional Portuguese-language online magazine project to be known as O Bicho-Preguiça.

The manifesto tried to play in a similar way on the use of beast-fables to model ideas about ethical virtues in action.

Kind of a long-term research topic of mine, that.

I even gave a scholarly paper once on the Indo-Arabic Kalila wa Dimna, one of the most entertaining and instructive works ever in this genre.

Gringo English majors looking for a more familiar hook by which to grasp the concept can strain their memories to recall Chaucer’s Parliament of Fowls, itself inspired by a similar work from the Persian, likewise transmitted through the Arabic.

You know the one: Faridu-d-din Attar’s The Conference of the Birds.

Or you can just think of Aesop, of course. We all know Aesop, if only through the great “Aesop and Son” segment from the old Rocky and Bullwinkle Show.

It was called something like “Sloth is the mother of all virtues.” I was very impressed with myself at the time, and my wife liked it. But was it any good, really? I should look back and see. At the very least, it avoided any and all references to French postmodern literary theory. I have nothing against that stuff, mind you, but it tends to make readers nervous, and the same notions can often be explored using plainer language, I find.

The file is in a MySQL database located somewhere on one of these quarter- and half-terabyte data bricks I have acquired over the years. I need to index those with that gizmo that the Gnome project devised for such purposes.

The sense in which Mainardi means to say that the president of Brazil is an antatapirus terrestris — comes from a regional colloquialism, according to the Houaiss Dictionary:

3 indivíduo de inteligência limitada; burro, tolo
4 indivíduo aproveitador, interesseiro

3. An individual of limited intelligence; an ass, fool

4. A manipulative, advantage-taking, self-interested person

The crude ad hominem attack, repeated ad nauseam over the gazillion-jigawatt megaphone owned by the Grupo Abril, being the stock in trade of the Famiglia Civita.

Mainardi was interviewed early this month in Abril’s Playboy Brasil — whether in the issue in which we learn what is tattooed on Mônica Veloso’s ass or not, I am not sure. You think I actually read this dreck? Think again. The intensive, centrally planned cross-marketing behind its apparent diversity of titles, however, is another of Abril’s stocks in trade. See

Claro que é, pois deixa passar por seu corpo os fluxos das potências naturais intempestivos e incapturáveis. Mas apenas nessa relação de vizinhança. Mas não como imitação, nem relação entre dois termos de uma sentença, seja como metáfora ou como comparação; simplesmente numa relação de proximidade, numa zona de indiscernibilidade onde salta um ser anômalo: devir-anta. Quando o amestrado da Veja, Diogo Mainardi, escreve Lula é minha anta, antropomorfiza um e animaliza outro a partir de um abstracionismo fictício próprio daqueles que vivem na superstição e jamais conseguem chegar ao real. Mainardi conhece uma anta? A anta é considerada o maior mamífero brasileiro, é um animal que habita charcos, onde se banha para espantar insetos que tentam perturbá-la, é herbívora, vive constantemente solitária e tem três dedos nas patas anteriores e nas dianteiras um pequeno dedo a mais. Tudo a ver com Lula.

Yes, of course, Lula is an anta

… for he allows the flow of powerful, uncontrollable natural energies to be channeled through his body. … [it gets a little highfalutin for me here.] When Veja’s master of disaster writes that “Lula is his anta,” he is anthropomorphizing the beast and animalizing the man, in a fictitious abstraction proper to those who live in superstition and never manage to arrive at reality. Has Mainardi ever met an anta? The anta is Brazil’s largest mammal. It inhabits ponds, where it takes baths in order to repel insects that try to pester it, it is herbivorous, lives in constant solitude, and has three toes on its hind legs and on its front legs, a small extra digit. All very much like President Lula.

Lula lost a finger in an industrial accident in his youth. I have never met an anta, but I have met a capyvara. Which is another noble creature.

Como ela, Lula habita a lama da política brasileira e nela se banha para escapar à sanha dos impotentes parasitas da direita cansada e poder governar. É isso que Bertolt Brecht coloca quando insta a mergulhar no lodo, mas transformar o mundo (abaixo). Mainardi leu Brecht? Se leu, foi além da decodificação abstracionista das letras ou apenas preencheu lacunas com sua existência de sujeito sujeitado dos Civitas? Política herbívora de Lula que, a despeito de todos que tentam encurralá-lo, a direita golpísta e a mídia seqüelada, ele não as ataca como poderia, apenas mergulha na água, como a anta, mas cada vez que bóia traz uma novidade: é a diminuição do índice de pobreza, uma infinidade de projetos sociais como nunca se viu deste lado do oceano, é a valorização do real em 100% nos últimos cinco anos, etc, etc. O playboysinho que se pretende carnívoro, Mainardi, sabe mergulhar nos rios turbulentos? Ou apenas se ilude, querendo-se transgressor apenas por urinar nas águas calmas das piscinas da elite ressentida? Como uma anta, Lula vive solitário, muitos que estavam próximos a ele, partidários e familiares caíram nas armadilhas, mas a cada tentativa de incriminá-lo ele aparece íntegro, incorruptível.

Like the anta, Lula inhabits the mud of Brazilian politics and bathes there to escape the wrath of impotent, “sick and tired,” right-wing parasites so that he can govern. This is what Bertolt Brecht means when he urges us to dive into the mud in order to change the world (see below). Has Mainardi read Brecht? If he has, did he get beyond the abstractionist decodification of letters, or did he merely fill in the blanks with his experience as a subject subjected to the Civitas? Political herbivore that he is, despite all attempts to corral him, by the coup-plotting right and the media who follows their lead, Lula does not attack us, as well he might.

The javalí, they say, is the jungle beast most likely to show the unwary the color of their own guts. And beware the fatal embrace of the tamanduá

He merely dives into the water, like the anta, but each time he resurfaces he brings us something new: A decline in the poverty rate, countless social projects such as never before seen on this side of the ocean, the valuation of the real by 100% in the last five years, and so on. Does the little playboy Mainardi, who thinks he is a carnivore, know how to swim turbulent rivers? Or does he only deceive himself, playing the transgressor in order to urinate in the calm waters of the resentful elites? Like the anta, Lula lives alone; many who were close to him, party colleagues and family members, have fallen into traps, but with each attempt to incriminate him he reappears, sound and incorruptible.

Have we mixed the metaphors thoroughly enough yet? Veja‘s standard explanation for Lula as — the Los Angeles Times used the phrase, but got it from a local “folklorist of corruption” — “the Teflon Don” is that the federal police are “a politicized Gestapo.” See also

E no devir-animal que o atravessa ele está em bando, populações inteiras, multiplicidades de afectos e potências onde todos os animais, todas as minorias vão formar um agenciamento coletivo de enunciação. Mainardi sabe que sofre das piores doenças do ser: um corpo frágil e uma alma débil, não podendo deixar vacilar seu eu dos sentimentos pessoais, e a palavra “público” em sua boca não passa de uma forma significante autoritária, por isso o possessivo “minha” como força de dominação da maioria? Mas isso é também uma quimera. Um devir está sempre em outro lugar. Em seu corpo-tapir, Lula fuça em sua singularidade e se aproxima das infinitas singularidades do povo a partir das noções comuns necessárias à prática democrática. Tudo isso é imperceptível aos “encéfalos esponjosos”, conforme a expressão de Jean Baudrillard. Provavelmente Mainardi colocou como título de seu livro Lula é minha anta devido ao dedo que ele acredita que Lula tem a menos.

In this becoming-animal [bestialization] to which Lula is subjected, entire populations, multiplicities of affinities of all minority groups band together to disseminate a collective message. Mainardi knows that he suffers from one of the worst sicknesses of being: A fragile body and a weak soul, …

This translation is becoming a bit too much like work. I do a lot of academic translation, in which the translator’s job is to translate the academic jargon accurately and faithfully. A collection of academic mumbo-jumbo in one language should come out the other end as a collection of equivalent mumbo-jumbo in the other.

But I find such jargon excruciating; despair of the young minds who have learned to express themselves with such utter lack of clarity and sprezzatura; and tend to charge extra for the mental anguish this sort of writing puts me through.

The guy — I did enjoy reading this, but then again, I am somewhat more hyperovereducated than most readers — does make a very nice pun later on about the irony of using an animal metaphor to conduct an ad hominem attack.

I think the best anti-Mainardi screed I know of may be:

I really do not think it helps much to dissect the man’s mentality. Mainardi is not a real person: He is a crudely-drawn fictional character in a cheaply produced Punch and Judy show.

The main thing, in keeping an eye on Mainardi, I think, is to keep tabs on the great gusto with which he tends to channel nonexistent facts. Misrepresentations of what is actually the case. Lies, to coin a phrase.

Seu ídolo FHC também já usou esse artifício preconceituoso, quando colocou uma mão “completa”, com os cinco dedos como símbolo de sua campanha em 1998. Mainardi e FHC, tudo a ver, não sabem que ser cego não é a ausência de visão, é uma outra subjetividade. Tudo a ver com a Veja, a Globo, os tucanados, mas não comigo, nem com você. A Lula, além desse dedo não lhe representar uma falta, como gostariam os psicanalistas, ele é a presença constante da sua luta como operário, da luta dos operários, e, além disso, Lula sabe que essa outra subjetividade desconcerta o já posto, o constituído como verdade e realidade, por isso mela a mão esquerda com o óleo para deixar sua marca na Petrobras — que por sinal já estaria privatizada se os tucanos tivessem ganhado em 2002 — como um enunciado de resistência. A mesma mão que apareceu apertando o botão da inauguração da Record News, que vem ao menos para quebrar o monopólio globólálico. É como uma ferroada na sensível e flácida pele da elite invejosa e ressentida. Mais uma vez tudo a ver com a anta. Mas Lula não ferroa ninguém. Dificilmente Mainardi sabe que a unha da anta é usada popularmente para curar vários tipos de doenças e os índios a utilizam para tratar até epilepsia.

[tktktktktk]

Será que o quimiopasteurizado Mainardi tem preconceito também à medicina popular, aos saberes dos índios e cabocos? Pode-se dizer que Lula é também um curandeiro, um devir-cura — um devir é sempre uma heterogeneidade —, e utiliza seus saberes populares para fazer sarar esse corpo-Brasil tão acometido de mazelas de Cabral a FHC. Mainardi segue a tradição da crítica literária, que mostra a semelhança comparativa entre homem e animal sempre como uma degradação, como analisam em Vidas Secas, de Graciliano Ramos, quando o personagem Fabiano diz de si mesmo: “Fabiano, você é um bicho”. Mainardi e os críticos não tem como compreender que o “bicho” é o virtus, a potência que pode atualizar a essência do ser em uma ação.

[tktktktktk]

Como um gato doméstico, roçador, que de vez em quando rosna como a onça e ataca como um maracajá. Mainardi quer ficar apenas como um gato antropomorfizado e sua ração diária. Ele se quer um outsider, mas não passa de um gato burguês, cansado, dorminhoco, porque nunca está acordado. Quer tirar sarro, mas não sabe o que é um almoço dos operários. O filósofo francês Gilles Deleuze diz que todo homem tem um buraquinho por onde pode passar a inteligência; mas Mainardi, no seu hominismo, só tende a tapar cada vez mais esse buraquinho. Mudando a pessoa do discurso, você, Mainardi, não é como uma anta. E atualizando a questão inicial, Lula não é uma anta. Lula é como uma anta: uma outra coisa, anômala, imperceptível, incapturável, real, uma matilha, uma coletividade, um devir…

Advertisements

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s