Rio de Janeiro: Corporal Moreira Felipe Convicted for Baixada Massacre

“The policemen cruised through various locations, executing innocent persons at random.”

Starting with the creation of the Military Police, in 1967, as an auxiliary force in the process of repression and preventive patrolling, death squad activity began to escalate in the region. The direct, and later indirect, participation of policemen in these groups, their financing by local merchants and businessmen, and the backing of local political groups, created the conditions for this criminal organization to thrive.

Consultor Jurídico (Brazil) reports: Second conviction in the Baixada Massacre of 2005.

See

Military policemen unhappy about a an investigation into corruption and death-squad activity in the region rolled up the highway between Nova Iguaçu and Queimado, shooting people at random. Thirty of them, in all.

The Beltway snipers in Washington, D.C. killed 10 people in three weeks and the boob tube spoke of nothing else.

Police arrest a militia leader suspected of 100 killings — a record surpassed only by Timothy McVeigh, as far as I know, who used a weapon of mass destruction, to boot.
See

How much news media follow-up on that case? None.

O Dia (Rio) reported at the time, of the Baixada massacre:

The massacre, according to preliminary investigation, may be linked to the arrest of military police accused of throwing a human head into the 15th Military Police Battalion on Wednesday evening.

A human? Head?

And where did they get this human head, you ask?

Whose human head was it?

I am not quite clear on that yet — No one seemed to care much about finding out — but reports are that they harvested it themselves, and meant it as a warning to colleagues at the 15th BPM.

O Tribunal do Júri de Nova Iguaçu (RJ) condenou, na quarta-feira (12/12), o cabo José Augusto Moreira Felipe a 542 anos de prisão, em regime fechado. Ele participou da chacina da baixada fluminense, que deixou 29 mortos e um ferido no dia 31 de março de 2005. O julgamento durou três dias.

A Nova Iguaçu jury sentenced corporal José Augusto Moreira Felipe to 542 years in prison, without possibility of parole. He took part in the massacre in the Baixada Fluminense that left 29 dead and one wounded on March 31, 2005. The trial lasted three days.

Por cada um dos 29 homicídios foi aplicada a ele a pena de 18 anos de prisão, somada há outros 12 anos por uma tentativa. O policial também perdeu o cargo público. De acordo com o processo, Felipe tem 14 antecedentes criminais, sendo seis contra a vida. Em nenhum deles, até o momento, havia condenação.

He received 18 years for each of the 29 counts of homicide and 12 years on one count of attempted homicide. The policeman also lost his public employment. According to trial records, Felipe had 14 prior criminal charges against him, 6 of them for [euphemism for murder or attempted murder]. He had not been convicted of any of them, until now.

A juíza Elizabeth Machado Louro, presidente do júri, classificou o crime como uma barbárie. “Os agentes percorreram vários logradouros e executaram aleatoriamente pessoas inocentes.” Segundo a juíza, o crime é repugnante, principalmente pelo fato de o acusado ocupar o cargo de policial militar. “Deveria estar comprometido com a defesa da ordem e da vida humana.”

Judge Elizabeth Machado Louro, the presiding judge, classified the crime as an act of barbarism. “The agents cruised through various places and executed innocent persons at random.” She called the crime repugnant, not least because the accused is a military policeman. “He ought to be committed to defending order and human life.”

O defensor público Rômulo Souza de Araújo recorreu da sentença em plenário. Ele alegou que não haveria nenhum indício no processo de participação do réu na chacina e de que ele estivesse nos locais dos crimes. Os promotores Fábio Mendes Muniz e Frederico Bonfatti, que atuaram no julgamento, entenderam que os crimes não foram atos isolados dos réus, mas “o ápice na carreira de policiais que não conheciam limites e não respeitavam a lei”.

Public defender Rômulo Souza de Araújo immmediately appealed the sentence. He alleged there was not evidence at trial that the defendant took part in the massacre or that he was at the scene of the crime. Prosecutors Mendes and Bonfatti argued that these were not isolated acts by the defendants, but “the culmination of a police career that knew no limits and did not respect the law.”

There was conflicting testimony on the man’s presence at the scene of the crime. Agência Brasil — the only news agency I know of that actually covered the content of testimony in the trial — reported:

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a principal testemunha de acusação disse que viu o cabo José e os outros quatro acusados em um bar no centro de Nova Iguaçu e que todos saíram juntos do local por volta das 20h30, momentos antes do início dos assassinatos.

… the principal witness for the prosecution said she saw Corporal José and the other four accused in a bar in dowtown Nova Iguaçu, and that they all left the location around 8:30 pm, moments before the killings began.

Já a principal testemunha de defesa do réu, que é funcionário de uma padaria próxima ao batalhão de Queimados, disse que o PM esteve na padaria, acompanhado de seu filho, entre 19h30 e 20h na noite da chacina.

But the principal defense witness, who works at a baker near the PM battalion in Queimados, said the PM was in his bakery, accompanied by his son, between 7:30 pm and 8 pm on the night of the massacre. 

Globo insisted on its right to have cameras in the courtroom for the Supreme Court hearing in the politically-charged Belo Horizonte Baldy case. To deny it that right would be Stalinism!

The U.S. Supreme Court has not allowed cameras since 1965:

Ironically, we as journalists dug our own hole on this issue. The restrictions go back to a landmark trial in 1965, the case of Billie Sol Estes v. Texas. Journalists and photographers covering that trial acted so outrageously that the Supreme Court slammed the door on cameras in the courts. If the Supreme Court is to open its doors to cameras, it has to be convinced that journalists will behave themselves and act professionally, recognizing the serious business of justice takes precedence over “good TV.” –Al Tompkins, “A Case for Cameras in the Courtroom” (Poynter Institute)

See

So why not carry a trial like this live on GloboNews, nationwide?

Police go on a rampage worthy of Charles Whitman — actually, they killed twice as many people as the Texas Tower sniper, who is widely remembered even today. A cultural icon.

What more riveting example of sensationalist, real-life court TV could you ask for? What more compelling example of the spectacle of justice to show the public than a landmark conviction of a police officer for a heinous crime?

This sort of programming is ratings boffo back home, as Variety would say. Live testimony, endless replays of the testimony, endless analysis of the testimony. You would think Globo would jump all over it. You would think this genre of trash TV would be right up Globo’s alley.
It just boggles the mind.

Brazil, in the worldview of Globo, is apparently a place where life is cheap, and Luciano Huck’s stolen Rolex is more of an outrage that policemen who behave pretty much exactly — to borrow a constant Globo analogy (“Rio de Janeiro = (Haiti = Iraq = Vietnam)”– like Abu Musab al-Zarqawi.

All that remains to complete the analogy is for them to videotape their feats, right?

See

We were just watching a report on the TV news last night on the independent report on accusations of summary accusations at the Complexo do Alemão earlier this year.

The report showed (blurred out) photos of the corpses, with the usual buildup that these were just released and “never before seen.”

But I was almost certain that I had seen them before.

On YouTube.

Também foram denunciados o cabo Marcos Siqueira Costa e os soldados Júlio César Amaral de Paula e Fabiano Gonçalves Lopes. Os dois primeiros ainda não têm data definida para irem a júri, pois entraram com recursos ainda não julgados. Fabiano Lopes seria julgado juntamente com José Augusto, mas, a pedido da defesa, o processo foi desmembrado e uma nova data será marcada.

Also accused were military police corporal Siqueira Costa and privates Amaral de Paula and Gonçales Lopes. The former two have not had a trial date set, since they have appeals pending. Fabiano Lopes was to be tried jointly with José Augusto, but the cases were severed and a new date set at the request of counsel.

A report on the incident by Justiça Global, titled “Impunity in the Baixada,” noted the historical precedents of this sort of conduct in the region, and the neglect of the region by the Rio de Janeiro press. Some excerpts.

Percebendo, porém, a importância nacional da Baixada – Nova Iguaçu era a oitava cidade brasileira em população – e a originalidade da conjuntura sociopolítica e econômica local, a ditadura militar deu apoio à montagem de um dos mais poderosos esquemas de execuções sumárias da história do país. A partir da criação da Polícia Militar, em 1967, como força auxiliar no processo de repressão e patrulhamento preventivo, iniciou-se a escalada dos grupos de extermínio. A participação direta e posteriormente indireta de policiais nestes grupos, o financiamento por parte de comerciante e empresários locais e o respaldo por parte dos grupos políticos locais forneceram as condições adequadas para o funcionamento deste aparato criminoso.

Perceiving the national importance of the Baixada — Nova Iguaçu was the eighth largest Brazilian city at the time — and the unique sociopolitical and economic structure there, the military dictatorship supported setting up one of the most powerful schemes of summary execution in the history of Brazil. Starting with the creation of the Military Police, in 1967, as an auxiliary force in the process of repression and preventive patrolling, death squad activity began to escalate in the region. The direct, and later indirect, participation of policemen in these groups, their financing by local merchants and businessmen, and the backing of local political groups, created the conditions for this criminal organization to thrive.

Os poucos casos de homicídios transformados em processos na época já permitiam entender a lógica destas execuções. Conforme constatou o promotor José Pires Rodrigues, o envolvimento direto de policiais nas execuções estava associado à prestação de serviços para comerciantes, empresários e grupos locais que pagavam por isto. Uma milícia calcada no uso privado do aparato da justiça que era mantida pelos recursos públicos do Estado. Esta perversão da política pública de segurança revelava também, para o promotor, os limites da sua ação, visto que em vários processos jamais conseguiu apurações nem condenações. A maior dificuldade era a falta de testemunhas para os casos, já que o aparato policial que devia dar garantias a estas testemunhas era o que estava no banco dos réus.

[tktktktk]

O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes acompanhou, durante cinco meses (maio a setembro de 2004), a produção jornalística sobre violência e segurança pública de nove jornais do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais: O Dia, O Globo e Jornal do Brasil; Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e Agora São Paulo; O Estado de Minas, Diário da Tarde e Hoje em Dia. Utilizando uma técnica de amostragem estatística (semana composta), foram analisadas em profundidade 2514 matérias (incluindo reportagens, editoriais, artigos de opinião e notas) entre as mais de dez mil produzidas por esses jornais no período.

[tktktktk]

A despeito do fato de que quase a metade (48,2%) das notícias publicadas por todos os jornais analisados tem como foco geográfico o Estado do Rio de Janeiro, apenas 5,4% delas referem-se a municípios da Baixada Fluminense. Ou seja, das 1.213 notícias sobre o Rio, apenas 66 são sobre fatos ocorridos na Baixada. Como se vê na tabela abaixo, os assuntos em foco nas notícias sobre a Baixada também são desproporcionais em relação à distribuição geral das notícias sobre o Rio. Enquanto no noticiário em geral o foco principal recai sobre as forças de segurança (polícia militar, polícia civil, forças armadas e guardas municipais), no caso da Baixada a maioria das notícias refere-se a atos violentos.

[tktktktkt]

Quando considerados os veículos que mais abordam fatos ocorridos na Baixada, o destaque é o jornal O Dia, com quase 60% das matérias. O Globo vem em segundo lugar, com 22,7%. O Jornal do Brasil situa-se no outro extremo, com apenas duas matérias durante os cinco meses analisados, ficando atrás até mesmo de um jornal de São Paulo e um de Minas Gerais. Se as notícias sobre a Baixada já são em número reduzido no noticiário geral, pode-se dizer que nos jornais formadores de opinião elas são ainda mais escassas. Considerando que a importância da mídia impressa reside na sua capacidade de agendar políticas públicas e criar pressão através de mobilização de lideranças da sociedade – e que essa tarefa é cumprida especialmente pelos grandes jornais – preocupa ainda mais o fato de que as reduzidas notícias sobre a Baixada concentrem-se tão fortemente em um veículo que se caracteriza por seu perfil de venda em banca. Acrescente-se à menor capacidade de agendamento de políticas públicas, o fato de que, de modo geral, o tratamento da notícia pelos jornais baseados em venda em banca (algumas vezes chamados “populares”) tende a ser menos qualificado que o tratamento dos veículos formadores de opinião. Características como referências a mais de uma fonte, presença de quadros e boxes, histórico, dados estatísticos e opiniões de especialistas, tudo isso ajuda o leitor a entender e a dimensionar a informação e não apenas a considerá-la mais uma tragédia, que tende a ser tão mais “naturalizada” e “banalizada” quanto menor, mais solta e mais descontextualizada é a notícia.

[tktktktktk]

É verdade que notícias de crimes e tragédias tendem a estigmatizar áreas das cidades, quando as associa sistematicamente a eventos que se repetem, aparentemente sem solução, como se fossem a confirmação infinita de uma violência “natural” destes locais, sem que os jornais acompanhem seus desdobramentos de forma séria e eficiente. No entanto, não é o “exagero”, mas o silencio que parece predominar na relação entre os problemas de criminalidade e segurança pública de municípios da Baixada Fluminense (como de resto em outras áreas pobres do estado e da cidade do Rio de Janeiro) e os jornais, especialmente os formadores de opinião, lidos pelas elites dirigentes e pelas classes médias e abastadas. É como se “violência na Baixada” não fosse um “problema do Rio”, mas uma “mazela da Baixada”. Em outras palavras, a letra do samba Notícia de Jornal, de Haroldo Barbosa e Luiz Reis, expressa bem o sentimento de muitos moradores afastados das áreas ricas sobre o silêncio e a indiferença acerca da violência cotidiana que testemunham.

[tktktktktk]

Tentou contra a existência
Num humilde barracão.
Joana de tal, por causa de um tal João.

Depois de medicada,
Retirou-se pro seu lar.
Aí a notícia carece de exatidão,
O lar não mais existe
Ninguém volta ao que acabou
Joana é mais uma mulata triste que errou.

Errou na dose
Errou no amor
Joana errou de joão
Ninguém notou
Ninguém morou na dor que era o seu mal
A dor da gente não sai no jornal.

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s