“Veja Ratfinked Cardoso’s Karl Rove”


School for scandal remains in session: “Straight-razor to the quick: the blade of the anticorruption federal police operation has already [chopped off the head] of [the owner of Gautama] and [the minister of Mines and Energy] and now is nearing the neck of the President of the Senate.” Violent imagery straight from the media playbook of Mexico’s Gente Nueva. The article did not accuse the Senator of any relationship to Gautama, however. It accused him of accepting money from a big construction firm, Mendes Junior, to pay personal expenses. Those charges, and others later shrieked about by the magazine, were never substantiated. Nothing was revealed. Veja‘s anonymous source: The palimony lawyer of the Senator’s baby mom, who later appeared in Veja’s sister publication, Playboy Brasil. Starkers.

Revista Veja perde ação contra ex-secretário-geral de FHC: Imprensa magazine (Brazil) reports on a civil libel action brought by a former government official against Veja magazine (Editora Abril) and a number of other news organizations.

The man, the former chief of staff [sort of] of the Cardoso presidency, also won defamation suits against O Globo and the Folha de S. Paulo.

This would make a perfect case study for journalist Luis Nassif, who is writing a book on Veja journalism — briefest of summaries: “It stinks!” — in installments and publishing the draft chapters to Google Pages.

Nassif and the Estado de S. Paulo were cited by the plaintiff in the case as exception to the lynch-mob atmosphere surrounding the case (see below).

Press freedom watchers have expressed (to some extent justifiable) concern about the extreme litigiousness of the relationship between the Brazilian news media and the public figures it covers, but often fail, I think, to draw a distinction between

  1. SLAPP suits designed to punish those who publish inconvenient but corroborated facts — which do seem to be thick on the ground here (Bishop Macedo v. Elvira Lobato of he Folha may be such a case, for example), and
  2. Genuine cases of what we refer to here at NMM as “the gabbling ratfink” — vicious, unbridled, mendacious, moral panic-driven, rumor-mongering, gabbling, quacking, flimsy, alarmist claptrap, perpetrated with “actual malice” or the journalistic equivalent of reckless disregard for the Reality Principle.

Conducting a public information service while giddily intoxicated with the power of monopolizing the gazillion-jigawatt megaphone.

Brazil needs something like a New York Times Co. v. Sullivan to help it conceptualize this difference.

News coverage and activism around this issue, meanwhile, needs to engage in the lost art of fact-checking to shine light on the difference between freedom of expression and the screaming of vicious lies — “The Tutsi have already massacred 300,000 Hutu!” — into the gazillion-jigawatt megaphone.

Here, for example, no summary of the case in all the (scant) news coverage I have read bothers to summarize what nonexistent facts were allegedly alleged.

It is impossible to judge whether the judges judged correctly — whether Veja was a victim of oppression or a perpetrator of the gabbling ratfink — without knowing what factoids it was found to have misstated for fun and profit.

The plaintiff in the case also applied for sanctions against the federal prosecutors in his case — and won suspensions for both of them. He published an indignant letter in the Observátorio da Imprensa in 2002 about the “lynch mob” journalism to which he was subjected. I translate that below.

Revista Veja foi condenada a pagar indenização de R$ 150 mil por danos morais ao ex-secretário-geral da Presidência no governo Fernando Henrique Cardoso, Eduardo Jorge Caldas Pereira.

Veja magazine was sentenced to pay damages of R$150,000 for defamation to the former secretary-general of the federal presidency under the Cardoso administration, Eduardo Jorge Caldas Pereira.

Em votação unânime na tarde da última terça-feira (18), a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça – formada pelos ministros Aldir Passarinho Junior, Fernando Gonçalves, Massami Uyeda e João Otávio de Noronha – confirmou a condenação da revista.

In an unanimous vote, the 4th Chamber of the [local equivalent of the Circuit Court of Appeals, in terms of hierarchy] — Passarinho, Gonçalves, Uyeda and Noronha — upheld the condemnation of the magazine.

De acordo com informações do site Consultor Jurídico, esta é a quarta decisão que Eduardo Jorge vence. Ele já recebeu indenizações do jornal O Globo e Correio Braziliense. Já o diário Folha de S.Paulo também foi condenado a pagar indenização e já fez o depósito do dinheiro. A revista Isto É também foi condenada, mas tem recurso no STJ.

According to Consultor Jurídico, this is the fourth case Caldas Perreira has won. He has already been paid damages by O Globo and the Correio Braziliense. The Folha de S. Paulo was also ordered to pay damages, and has deposited the amount in escrow. IstoÉ magazine was also ordered to pay damages, but an appeal is pending.

Eduardo Jorge espera o resultado de outras duas ações, ainda sem decisão de primeira instância, contra o Jornal do Brasil, Correio de Minas. O ex-secretário processa também a União e os procuradores Guilherme Schelb e Luiz Francisco de Souza, que o denunciaram.

The former secretary-general awaits the result of another two lawsuits, which have yet to be ruled on in a lower court, against the Jornal do Brasil and the Correio de Minas. He is also suing the federal government and the prosecutors who charged him.

Both have served misconduct suspensions, according to CJ.

O ex-secretário argumenta, em todas as ações, que foi vítima de ataques infundados da imprensa.

He argues in all these cases that he was the victim of unfounded attacks in the press.

O site Consultor Jurídico lembra que o ex-secretário-geral de FHC foi acusado pelo Ministério Público de envolvimento no esquema de desvio de dinheiro na construção do prédio do Fórum Trabalhista de São Paulo, com o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto. O juiz foi condenado, mas nada ficou provado contra Eduardo Jorge. Ele foi absolvido de todas as suposições feitas pelo MP e reproduzidas pela imprensa.

CJ recalls that Cardoso’s former secretary-general was accused of involvement in a scheme to skim money from the construction of a courthouse in São Paulo, along with retired judge Nicolau dos Santos Neto. The judge was found guilty, but the charges against Eduardo Jorge were not proven. He was found not guilty of all charges brought by the Public Ministry and reproduced by the press.

Did the prosecutors try their case in the press, using Judy Millerist leak journalists?

A ação contra a revista Veja foi referente a nove notícias publicadas entre 2000 e 2002, consideradas ofensivas.

The suit against Veja was based on nine articles published between 2000 and 2002 that were considered offensive.

And untrue, presumably.

//i113.photobucket.com/albums/n216/cbrayton/Stuff/edjorge.png?t=1206007755” cannot be displayed, because it contains errors.
Eduardo Jorge … “the former aide grimaces and gesticulates during his testimony to the Senate; nothing he was asked went without an answer.” Source:
Veja.

The man’s letter to the Observátorio da Imprensa in 2002 gives his version of the facts.

Nos meses de julho e seguintes de 2000, o noticiário nacional da imprensa brasileira foi quase inteiramente tomado por um único assunto: o chamado “caso EJ” – denominação fantasiosa criada por alguns jornalistas para tentar dar consistência à saraivada de acusações infundadas e levianas da qual eu era vítima. Durante todo esse período, inúmeras suspeitas foram irresponsavelmente levantadas, sem qualquer base factual, noticiadas sempre com grande destaque. Cada um de meus atos corriqueiros de governo foi investigado, cada ação tomada já na iniciativa privada foi colocada sob suspeita, e até o suicídio de uma secretária foi usado por um jornal como indício de suspeição criminosa. A minha família, de longa tradição de honradez e competência no serviço público, foi violentada pelas agressões, que não se limitaram a mim. No final do depoimento que prestei ao Senado, em 3 de agosto de 2000 afirmei: “Quando este processo terminar, vai ter muita gente com vergonha de ter entrado nessa onda”.

In July 2000 and the months that followed, the national news was almost completely taken up with a single story: the so-called “EJ Affair” — a name dreamed up by a few journalists to try to lend some coherence to the blizzard of unfounded and irresponsible accusations of which I was the victim. During this entire period, many, many suspicions were raised in an irresponsible manner, without any basis in fact, and run with great [fanfare]. All of my activities in the government were investigated, as were my dealings in the private sector, and even the suicide of a secretary was used by one newspaper to support a suspicion of criminal involvement. My family, which has a long tradition of honorable and competent public service, had its privacy violated by these accusaations, which were not limited to me personally. At the end of the testimony I gave to the Senate in 2000, I said: “When this matter is over, a lot of people are going to be ashamed of having [surfed this wave.]”

Passados dois anos, os fatos se encarregaram de demonstrar a completa leviandade das acusações. Nem por isso os meus constantes esforços, através de correspondência diuturna com as redações, com donos de jornal e com jornalistas, mostrando a cada passo os erros flagrantes cometidos, as incoerências publicadas, a falta de sentido de notícias surtiu o efeito de fazer um só deles – à exceção de Clóvis Rossi [na Folha de S.Paulo] – se retratar.

Two years on, the accumlated facts have now show that these accusations were completely frivolous.  Even so, my constant efforts, writing daily to the newsrooms, the newspaper ownersand journalist to show them the flagrant errors they committed, the nonsense they published, their lack of news sense, has been able to make a single one of them — with the exception of Rossi of the Folha — issue a retraction. 

Abri espontaneamente meus sigilos bancário e fiscal. Toda a minha vida, de meus familiares, sócios e amigos foram checadas pelo Senado, pela Receita Federal e pelo próprio Ministério Público, e mesmo assim nenhum tipo de irregularidade foi constatada. Em sucessivos despachos, juízes de diferentes instâncias já mostraram a absoluta falta de elementos que sustentassem a sórdida campanha contra mim movida por procuradores politicamente engajados e por parcelas da imprensa. Mesmo assim, não tive até hoje de nenhum repórter e de nenhuma veículo uma reparação pelas calúnias e agressões contra mim lançadas.

I voluntarily opened up my banking and tax records. My entire life, and the lives of my family members, partners and friends, were checked up on by the Senate, the federal tax authority and the Public Ministry (prosecutor), and no irregularity of any kind was discovered. In a series of rulings, various judges took notice of the complete lack of evidence to support the sordid campaign against me by politically engaged prosecutors and sectors of the press. Even so, not a single reporter or news organization has yet repaid me for the slander and attacks against me. 

Observações parciais

Some observations

Em um momento em que a liberdade de imprensa volta novamente à discussão, com jornalistas escrevendo matérias indignadas contra a tentativa do ex-governador Anthony Garotinho em evitar judicialmente a publicação de matérias e com os meus agressores no meio político – especialmente o PT – bradando contra procedimentos similares que os atingem, a história por mim vivida fornece bons elementos para pensarmos na necessidade de mecanismos mais eficazes de controle social da imprensa.

At a moment when freedom of the press is once against being debated, with journalists writing indignantly of an attempt by former governor Garotinho filing suit to avoid the publication of articles about him, and with my political detractors — the PT especially — screaming about similar tactics used against them, the experience I lived through supplies plenty of food for thought about the need for more effective ways of ensuring social controls on the press.

Tudo se iniciou em 4/7/2000, quando o jornal Valor Econômico publicou uma entrevista na qual eu reafirmava, com naturalidade, coisas que já haviam sido noticiadas um ano antes. Questionado sobre as ligações recebidas do ex-juiz Nicolau, que haviam sido objeto de investigação na CPI do Judiciário terminada no ano anterior, expliquei novamente o caráter puramente institucional de nossos contatos, como já noticiara toda a imprensa brasileira. O destaque dado pelo jornal à matéria, assim como a forma pela qual ela era apresentada – que incluía um cabeçalho com a palavra “corrupção”, ainda que a matéria não chegasse a sugerir nada nesse sentido – deram porém a senha para o início da mais sórdida campanha de mídia de que já tive notícia.

It all began on July 4, 2000, when Valor Econômico published an interview in which I stated once again, in all frankness, some things that had already made news years earlier. Asked about calls I received from Judge Nicolau …

Pressionados pelo vazio do noticiário político deixado pelo recesso do Parlamento, e animados pelo desgaste natural de um governo que atravessava seu segundo mandato e a perspectiva de eleições em outubro, jornalistas de diferentes folhas rapidamente fizeram do tema o mote para a fabricação de um grande “escândalo”. Alimentados pelos desvarios de um procurador que, em ciclo vicioso e trágico, tomava como “indícios” das acusações as próprias reportagens que provocava e comentava, realimentando assim o noticiário, os jornais tentavam associar meu nome a todo tipo de ilegalidade, de imoralidade e de comportamento antiético. Em poucas semanas, já havia sido assim me transformado em um dos grandes vilões nacionais, sujeito a agressões e chacotas diversas.

[tktktktktktk]

Alguns poucos jornalistas e órgãos de imprensa merecem ser citados como exceção, pela ética e responsabilidade com que se conduziram – mesmo quando erraram no noticiário – desde o início do “Caso EJ”: O Estado de São Paulo, Hélio Doyle e Luís Nassif.

[tktktktktktk]

Mesmo setores da imprensa habitualmente mais cuidadosos e responsáveis não deixaram de repetir a cantilena. Ainda que acostumado a analisar com olhos críticos a atuação dos colegas de profissão, o próprio Alberto Dines foi vencido pela pressão da mídia e tratou do caso na coluna que publicou no Jornal do Brasil, em 15 de julho de 2000 – intitulada “Ascenção e queda de um aspone”. Comparado a uma “mosca varejeira”, fui retratado no artigo como um assessor dotado de “instintos maquiavélicos”, que traía a lealdade devida ao presidente da República em nome de escusos interesses pessoais. Prova disso, a ele relatada pelo ex-governador Cristóvam Buarque, seria minha suposta atuação no sentido de bloquear um empréstimo concedido pelo BID ao Governo do Distrito Federal. Bastaria que Dines tivesse tomado as precauções naturais de seu ofício, contrapondo a versão do ex-governador às de outras autoridades públicas, para se dar conta do completo absurdo da suposição. Descobriria, sem muito esforço, que o bloqueio do empréstimo nada teve a ver comigo e que quem se opôs à sua efetivação – bem como à liberação de verba do BNDES para a obra de recuperação da rodoviária de Brasília – foi o ex-senador José Roberto Arruda. Mas a decisão, tanto quanto sei, se deveu ao Ministério da Fazenda, por razões técnicas.

[tktktktktktk]

O próprio fato de que ele acreditasse tão piamente – sem ao menos ouvir o acusado ou checar suas fontes – que o ministro da Fazenda obedeceria às ordens do secretário-geral [da Presidência da República], ainda que essas estivessem em desacordo com as determinações do presidente, demonstrava, porém, a parcialidade de suas observações. Tomando minha culpa como pressuposto do texto, ele mesmo viu-se desobrigado de ser imparcial e justo. Ao duvidar de meu caráter mesmo sem me conhecer, contribuiu assim para o massacre ao qual estava submetido naquele momento.

[tktktktktktk]

Caso isolado

[tktktktktktk]

Mesmo depois do primeiro depoimento que dei à subcomissão que investigava o caso, no Senado, as acusações não terminaram. Ainda que tivesse explicado sem deixar margem a dúvidas todos os pontos que me foram questionados, colocando à disposição da imprensa os dados que comprovavam a má fé ou a inépcia das acusações, vários foram os que insistiram nas aleivosias. Baseavam-se nas suspeitas que continuavam a ser lançadas pelos mesmos políticos de oposição que, embora se mostrando nos dois depoimentos que dei ao Senado Federal incapazes de apontar um só desvio de minha conduta, tentavam fazer do meu “caso” o mote para a instalação de uma CPI eleitoreira contra o governo. Nessa tarefa eles ainda contavam com a atuação histérica de alguns procuradores – sendo que pelo menos um deles filiado até há pouco ao PT.

[tktktktktktk]

Elio Gaspari is often heard to insist on this point: That the PT, which complains (and not without some justification) of receiving this treatment from what Amorim calls “the party of the coup-plotting mass media” (PIG, from its acronym in PT-Br), has itself engaged in the scandal-mongering “folklore of corruption” in the past.

I do not know whether these accusations of “politicized justice” are warranted, mind you. The case requires further study, and I am crazy busy at the moment.

Nesse quadro, poucos foram os jornalistas que reconheceram seus erros e excessos. Em 26 de janeiro de 2001, quando se completava um semestre do início do “escândalo”, a Folha de S.Paulo admitia em manchete que “Investigação contra EJ segue sem provas”, embora, como é característica do jornal, tentasse dar a essa informação o tom malicioso de que, se provas não existem, é porque o ladrão foi bem sucedido em esconder seu roubo, na presunção de uma culpa que nenhuma prova em contrário pode superar.

In this context, there were few journalists who acknowledged their errors and excesses. On Janaury 26, 2001, on the six-month anniversary of the “scandal,” the Folha de S. Paulo admitted in a headline that “Investigation into EJ Has Yet To Turn Up Proof,” although, and this is typical of the Folha, it tried to impart a malicious tone to this information, suggesting that, if evidence did not exist, this was because the thief had succeeded in covering up his thievery — a presumption of guilt that no evidence to the contrary can overcome.

In dubio pro reo.

No dia 14 de fevereiro jornalista Clóvis Rossi reconheceu, em coluna intitulada “Errei”, que “entre a suspeita e a condenação moral que procuradores e boa parte da mídia fizeram, faltou um elemento (o devido processo legal) que é um dos pilares insubstituíveis da vida civilizada”. Mais do que recuar em relação às suspeitas que reverberara contra minha pessoa, Rossi colocava para os próprios colegas de profissão um dilema ainda não resolvido. “Que a opinião pública tenha sede de sangue é compreensível e até justificável, ante a quantidade de escândalos a ela servidos dia sim, dia não, nos últimos muitos anos. Mas que jornalistas tenhamos nos prestado a tirar uma gota de sangue de suspeitos para servir no altar de sacrifícios da ira popular, aí já é intolerável”, afirmava ele, mostrando “o absurdo de se manter indefinidamente o acusado no ‘corredor da morte’ moral até que se ache uma prova que, de fato, o incrimine”.

On February 14 of that year, Clóvis Rossi acknowledged, in a column headlined “I was wrong,” that “amid the suspicions and moral condemnation that the prosecutors and a good part of the media engaged in, an element was lacking (due process of law) that is one of the pillars of civilized life.” …

Clóvis Rossi é, porém, um caso isolado no contexto da imprensa brasileira. No geral, quase todos preferiram a alternativa de simplesmente silenciar sobre o caso, como se com isso fizessem a mim algum tipo de favor. Por mais que juízes diversos, em resposta às petições apresentadas por procuradores irresponsáveis, tenham comprovado a leviandade das acusações – chegando mesmo a proibir por conta própria, em habeas corpus de ofício, que meu nome continuasse a ser citado como acusado na investigação, como fez o juiz Casem Mazloum em relação ao caso do TRT – os jornais continuam no máximo a afirmar a “falta de provas” nos casos em que me envolveram. Sem honestidade suficiente para voltar atrás, desculpando-se com os leitores pelos seus erros, tentam fazer das acusações contra mim lançadas apenas mais alguns dos muitos “escândalos” nunca solucionados, como a atestar o talento dos envolvidos para encobrir seus crimes.

[tktktktktktk]

Erros e abusos

[tktktktktktk]

O chamado “caso EJ” é, assim, um bom meio de aprofundar a reflexão sobre a irresponsabilidade que tem marcado a atuação de muitos jornalistas e de muitos veículos. O verdadeiro jornalismo investigativo, que sustenta suas denúncias, senão com provas, ao menos com indícios consistentes, não tem nenhuma relação com a atuação inconseqüente de jornalistas que, em busca de um furo, dão espaço a todo tipo de calúnia e leviandade. Quando se limitam a reproduzir dossiês, geralmente forjados por partes politicamente interessadas que se escondem sob o sigilo das fontes, tais jornalistas (por incompetência, desinformação ou má-fé) se tornam simples joguetes de interesses políticos muitas vezes inconfessáveis.

[tktktktktktk]

Se a liberdade de imprensa é um bem pelo qual devemos todos lutar, ela não pode servir de escudo para ações que desrespeitam os direitos individuais mais básicos, como os direitos à honra, à privacidade e à intimidade. Ao patrocinar massacres sem provas e sem sequer indícios, como aquele promovido contra mim, muitos jornalistas legitimam um mecanismo que nada tem de democrático, e que é mais perverso do que as ações empreendidas por qualquer ditadura. Prejulgando as pessoas sem provas – e no meu caso sem ao menos explicitar as acusações –, insistindo na condenação mesmo depois de evidenciado o erro, e recusando-se a admitir, mesmo que a posteriori, os deslizes cometidos de forma tão brutal, muitos se mostram indignos da profissão – ou da atividade empresarial de donos de jornal – que escolheram.

[tktktktktktk]

Que a luta contra a censura se faça acompanhar, nas redações, por uma autocrítica sobre a ação irresponsável da imprensa em algumas ocasiões, e na busca de mecanismos que possam reparar de maneira satisfatória seus erros e abusos.

[tktktktktktk]

Leave a Reply

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s